1 de nov de 2009

HÉLIO OITICICA


Em razão do incêndio que devastou e resumiu a pó muitas das obras de Hélio Oiticica, considero quase que obrigatório uma homenagem, mesmo que simples e nem um pouco confortante, desse artista ímpar, marginal,apaixonante e desconhecido por muitos.

Assim sendo, publicarei anexada a reportagem da Folha de São Paulo sobre o ocorrido, uma breve tragetória de Oiticica, assim como algumas de suas grandes e ,agora, nostálgicas obras.


Incêndio no Rio destrói obras de Hélio Oiticica

Diversos artistas e autoridades brasileiros lamentaram o incêndio que destruiu parte do acervo do artista plástico Hélio Oiticica (1937-1980) ocorrido entre a noite de sexta-feira (16) e a madrugada de sábado (18) na casa de seu irmão, o arquiteto César Oiticica, no Jardim Botânico, zona sul do Rio. Leia abaixo a repercussão do caso. O material perdido corresponderia a 90% da obra do pintor, escultor e artista conceitual, que morreu em 1980.

"É como se um pedaço de cada artista brasileiro tivesse se incendiado também. É uma tragédia cultural", disse o também artista plástico Cildo Meireles. Para o professor da USP Tadeu Chiarelli, trata-se de "uma perda lastimável para se entender a arte internacional".

Segundo César, que dirige o Projeto Hélio Oiticica, instituição criada em 1981 para cuidar dos trabalhos do artista, o acervo da casa destruída reunia mais de mil obras - centenas foram queimadas. Ele estima a perda em US$ 200 milhões. César Oiticica disse que estava jantando quando foi alertado por uma empregada sobre o fogo. As causas do incêndio são desconhecidas.

O fogo começou por volta das 23h de sexta-feira. O Corpo de Bombeiros chegou 20 minutos depois e teve dificuldades para controlar o fogo. "Tiveram que pegar água da piscina do meu vizinho", afirmou César. Os bombeiros só conseguiram apagar totalmente as chamas por volta de 2h30 de sábado.

Segundo César, a sala onde estavam guardadas as obras era adaptada para funcionar como uma reserva técnica e não havia nada de inflamável no local. Os bombeiros foram chamados, mas quando chegaram o fogo já havia destruído o acervo.

A casa abrigava pinturas, desenhos e toda a obra concebida nos anos 60. Parangolés, bólides e bilaterais, um dos destaques da produção do artista, estão em estado irrecuperável. Os penetráveis, obras maiores de Oiticica, que integraram a exposição "Penetráveis", no centro municipal de Arte Hélio Oiticica, no centro do Rio, permaneceram no espaço e foram salvos. Os que estavam na casa foram parcialmente destruídos. Os desenhos foram encontrados em bom estado.


Trajetória de Hélio Oiticica

O artista tem entre suas obras mais importantes a "Tropicália", que inspirou e deu nome ao movimento cultural brasileiro que revolucionou a música, o cinema, o design, a moda e as artes do país nos anos 70. A obra faz parte da coleção permanente da galeria Tate Modern, de Londres, que adquiriu o trabalho em 2007.

O artista, que compareceu a uma escola pela primeira vez aos dez anos, teve sua formação influenciada pelo pai, José Oiticica Filho --um dos mais importantes fotógrafos brasileiros-- e pelo avô José Oiticica, intelectual filólogo, professor, escritor e jornalista.

Em 1953, Oiticica começou a estudar pintura com Ivan Serpa, após tomar contato com a obra de Paul Klee, Alexander Calder, Piet Mondrian e Pablo Picasso durante a segunda Bienal de Arte Moderna de São Paulo. Em 1954, entrou para o Grupo Frente e junto fez a sua primeira exposição no Museu de Arte Moderna.

Nessa época, Oiticica começou a conviver com artistas e críticos, como Lygia Clark, Ferreira Gullar e Mário Pedrosa. Sua obra desse período, entre 1955 e 1957, são pinturas geométricas sob guache e cartão, que resultou em 27 trabalhos nessa técnica, intitulados 'Secos', que foram expostos no Rio de Janeiro, na Exposição Nacional de Arte Concreta.

Em 1959, convidado por Lygia Clark e Gullar, integrou o Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e passou a realizar pinturas a óleo sobre tela e compensado. São obras monocromáticas que incluem pinturas triangulares em vermelho e branco. Também em 1959, o artista participou da quinta Bienal do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1960 trabalhou como auxiliar técnico de seu pai, José Oiticica Filho, no Museu Nacional.

A partir do início dos anos 60, Oiticica começou a definir qual seria o seu papel nas artes plásticas brasileiras e a conceituar uma nova forma de trabalhar, fazendo uso de maneiras que rompiam com a ideia de contemplação estática da tela. Surgiu aí uma proposta da apreciação sensorial mais ampla da obra, através do tato, do olfato, da audição e do paladar.

Entre as obras os "Penetráveis", criados para serem vivenciados (ou penetrados) pelo espectador. Nestas obras, o artista passa a criar espaços de convivência que rompem com a relação formal entre arte e observador e pedem presença ativa e distendida no tempo. Parangolé

Em 1964, o artista aproximou-se da cultura popular e passou a frequentar a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, tornando-se passista e integrando-se na comunidade do morro. Vem dessa época o uso da palavra "parangolé" que passou a designar as obras que estava trabalhando naquele momento.

Os primeiros parangolés se compunham de tenda, estandarte e bandeira e P4, a primeira capa para ser usada sobre o corpo. São obras que causaram polêmicas e ele definia como "antiarte por excelência".

Em 1965, o artista começou carreira internacional e realizou a exposição --Soundings Two-- em Londres, ao lado de obras de Duchamp, Klee, Kandinsky, Mondrian, Léger, entre outros.

Em 1967, iniciou suas propostas supra-sensoriais, com os bólides da "Trilogia Sensorial", além dos penetráveis PN2 e PN3 que faziam parte da obra Tropicália, mostrada na exposição Nova Objetividade Brasileira, no MAM, Rio de Janeiro.

Em 1972, usou o formato super 8 e realizou o filme Agripina é Roma - Manhattan. O cinema passou a ser uma referência, e em 1973 criou o projeto Quase-cinema, com a obra "Helena inventa Ângela Maria", série de slides que evocam a carreira da cantora Ângela Maria.

Uma nova série de penetráveis intitulados Magic Square e os objetos Topological ready-made landscapes foram mostrados na exposição Projeto construtivo brasileiro, MAM, Rio de Janeiro, em 1977. Em 1979, criou o seu último penetrável chamado "Azul in azul". Neste ano, Ivan Cardoso realizou o filme "HO", retratando a obra de Hélio Oiticica.

No dia 22 de março de 1980 o artista morreu após sofrer um acidente vascular cerebral no Rio de Janeiro.






Nenhum comentário:

Postar um comentário